sábado, 13 de março de 2010

Eu devia estar estudando.


Eu devia MESMO estar estudando.
Mas são tantas as coisas que me distraem, que me furtam dos estudos, dos meus livros de direito, dos códigos, da jurisprudência dos tribunais, das notícias e informativos do STJ, do STF, das provas dos concursos anteriores, de um novo cargo público, de um salário melhor... Arghhhhhhhhhhhh!
Tô estudando pra que mesmo?
Eu nem sei o que eu quero ser!!!
Além de viva.
E feliz.
E boa.
E eu gosto do que eu sou. E de onde estou.
Agora mesmo, por exemplo. Exatamente quando eu deveria estar estudando Direito Civil (eu simplesmente amo Direito Civil) alguma coisa me perturba.
Não consigo não pensar, não consigo parar de pensar, não consigo me concentrar.
Do nada me veio a idéia de fazer uma tatuagem.
Eu, de vez em quando, penso nisso. Um daqueles pensamentos que vão mas só pra voltar.
Daí eu lembro que uma tatto polui o visual, não combina com vestidos os românticos que eu adoro, arrasam um look de trabalho poderoso e algumas vezes me parecem meio trash.
Simplesmente não combinam comigo, eu sei.
Mas eu não consigo parar de pensar em fazer.
Em o que fazer?
Qual desenho?
Uma tribal?
Uma pena indígena (uma amiga minha tem uma e eu acho linda)?
Uma mandala?
Estrelinhas?
Uma frase? Uma palavra? Uma letra?
E o pior, o mais importante, onde fazer? (OK, muita calma nessa hora, sem piadinhas infames).
Sim, porque se eu fizer vai ter que ser num lugar escondido, mas que eu possa mostrar.
Deu pra entender?
Tá, vamos supor que eu faça.
E se eu não gostar?
E se eu me arrepender?
Vai doer pra fazer, vai doer pra tirar e pode ser que não saia (é, algumas não saem de jeito nenhum).
ME-DO!
Mas sabem o que eu lembrei agora?
Tem aquela música do Chico Buarque que eu A-DO-RO e que chama... Tatuagem (tudo bem eu amo quase todas do Chico. E o Chico. Todo.) Kkkkkkkkkkkkkkk!
“Quero ficar no teu corpo feito tatuagem,
que é pra te dar coragem,
pra seguir viagem,
quando a noite vem.”
É, nada tem nada a ver com nada, mas eu tava escrevendo e pensei na música. Simples assim.
Deveria ter lembrado daquela:
“Vai trabalhar(estudar), vagabundo.
Vai trabalhar(estudar), criatura.”
A verdade é: eu não vou fazer tatuagem coisa nenhuma.
Isso tudo é um plano sórdido da minha mente perversa e preguiçosa pra me manter afastada dos estudos.
Eu sei.
Mas algumas vezes eu não consigo resistir. A mim mesma.
Vocês conseguem?

Nenhum comentário:

Postar um comentário